Enfisema pulmonar

Enfisema Pulmonar

O enfisema pulmonar é uma doença respiratória. Nesta doença, milhões de pequenos alvéolos cheios de ar nos pulmões distendem-se de forma exagerada ou rompem-se. À medida que essas estruturas frágeis são lesionadas ou destruídas, os pulmões perdem a sua elasticidade natural e tornam-se incapazes de se esvaziar normalmente.

O enfisema pulmonar é uma doença progressiva. À medida que a doença progride, os pulmões perdem a sua capacidade de absorver oxigênio e liberar dióxido de carbono. A respiração torna-se mais difícil e o paciente fica facilmente com falta de ar.

O enfisema e a bronquite crônica constituem as duas formas mais comuns de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e ocorrem frequentemente associadas. A bronquite é uma inflamação com edema das paredes brônquicas. Uma pessoa com bronquite crônica apresenta tosse diária acompanhada de expectoração que se prolonga durante meses por vários anos.

Tanto o enfisema como a bronquite crônica são causados por uma lesão dos pulmões e dos brônquios. Quando a lesão é causada pelo tabagismo, os sintomas podem melhorar se a pessoa parar de fumar.

O tabagismo é responsável pela grande maioria dos casos de enfisema. A exposição ao fumo e às toxinas transportadas pelo ar podem contribuir para o enfisema, embora em grau muito menor. Os fumantes expostos a níveis elevados de poluição do ar parecem ter um risco mais elevado de desenvolver uma DPOC.

Um pequeno número de pessoas nos Estados Unidos desenvolve enfisema em consequência de uma doença hereditária conhecida por deficiência de alfa-1-antitripsina. Nessa doença genética, o organismo não produz quantidade suficiente de uma proteína denominada alfa-1-antitripsina. Essa proteína protege os pulmões das lesões provocadas por enzimas. Quando os níveis de alfa-1-antitripsina estão baixos, os pulmões têm tendência a serem lesionados por essas enzimas. O tabagismo agrava a situação. 

Sintomas da enfisema pulmonar

Durante os estágios iniciais do enfisema, a maior parte das pessoas apresenta poucos sintomas. A doença geralmente progride lentamente. As alterações na função respiratória podem ser difíceis de notar. Um paciente típico só irá apresentar sintomas depois de ter fumado um maço de cigarros por dia durante mais de 20 anos.

No entanto, ao longo do tempo, praticamente todas as pessoas com enfisema irão sofrer de falta de ar. Em primeiro lugar, os sintomas podem ser notados apenas durante as atividades mais intensas, tais como uma subida de vários lances de escadas ou quando se pratica esporte.

Com o passar do tempo, a falta de ar pode surgir com as atividades diárias, tais como as tarefas domésticas ou andar distâncias curtas. Finalmente, o paciente pode ter falta de ar durante grande parte do dia, mesmo em repouso ou durante o sono.

Nos casos mais graves, a enfisema pulmonar pode causar uma falta de ar extrema, com a sensação constante de não conseguir respirar.

Esses sintomas respiratórios são idênticos, independentemente da causa do enfisema. No entanto, duas pessoas com o mesmo grau de lesão pulmonar podem apresentar sintomas diferentes.

Um paciente com um enfisema leve pode sentir muita falta de ar, enquanto outro em um estágio mais avançado da doença pode ser pouco afetado pelos sintomas.

Outros sintomas provocados pelo enfisema são:

  • Chiado;
  • Tosse;
  • Expectoração (se também estiver presente a bronquite crônica);
  • Sensação de constrição torácica;
  • Tórax distendido em forma de barril;
  • Fadiga constante;
  • Dificuldade para dormir;
  • Dores de cabeça matinais;
  • Perda de peso;
  • Edema dos tornozelos;
  • Letargia ou dificuldade de concentração.

O médico irá interrogar detalhadamente o paciente sobre tabagismo, especialmente há quanto tempo fuma e quantos cigarros consome por dia. Os resultados deste exame podem ser totalmente normais em muitas pessoas nos estágios iniciais do enfisema pulmonar.

Na maior parte das pessoas, o enfisema pulmonar será diagnosticado através de radiografias ou de testes de função respiratória.

No entanto, essas alterações podem não surgir enquanto não ocorrer uma lesão significativa dos pulmões. A tomografia computadorizada é melhor para detectar as alterações mais precoces do enfisema pulmonar e pode ajudar a diagnosticar esta doença nas pessoas mais jovens ou que nunca fumaram.

O teste da função respiratória é útil tanto para diagnosticar um enfisema pulmonar como para determinar o estágio da doença. Neste teste, também conhecido por espirometria, a pessoa tem de soprar com força através de um tubo que se encontra ligado a uma máquina que, por sua vez, mede a capacidade pulmonar.

O médico pode pedir provas funcionais respiratórias especializadas. Estas são realizadas com a pessoa sentada dentro de uma caixa de vidro ou exigem que a pessoa respire lentamente uma mistura de diferentes gases.

Os trabalhadores expostos a substâncias químicas nocivas na prática da sua atividade profissional devem falar com seus sindicatos sobre a possibilidade de usarem máscaras respiratórias. Devem também consultar um especialista em medicina ocupacional

Se fumar, deve parar. Ao deixar de fumar, a pessoa pode prevenir o enfisema pulmonar ou atrasar a sua progressão.Deve também limitar sua exposição à poluição atmosférica e não deve fazer atividades ao ar livre quando existe indicação de níveis elevados de poluição atmosférica.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *